Êxtase em silêncio

Deveria ter um baú do passado onde pudéssemos olhar cada momento de escolha, tristeza ou felicidade, para espantados sentirmos orgulho do trivial e observar o desenrolar da consciência. Olho tua pupila, que espanto! Tantos sonhos, temores e arrepios semelhantes aos meus.